quarta-feira, 28 de maio de 2014

Ode ao Amor.

Não me lembro da primeira vez que vi a palavra AMOR escrita. Talvez por ser distraída e por essa primeira vez não ser vista como primeira vez. Será que conta ser a primeira vez naquilo que surge vezes sem conta ao longo da vida?
Não me lembro da primeira vez que vi alguém a dar um beijo, no meio da rua. Não me lembro sequer da primeira vez que percebi a diferença entre dar a mão e dar um abraço. Não me lembro da primeira vez que vi alguém a rir-se sozinho, com cara de parvo, só porque sim.
Não sei dizer quando percebi que nada fica registado quando o amor surge, só o que vem depois. E vem tanta coisa. Sem perdas.
Porque no amor nada se perde. Tudo se transforma.
Mesmo quando nada resulta, tudo muda. E quando resulta, tornámo-nos uma espécie de extensão dos outros, com passaporte interno.
Também não me lembro do dia em que percebi que gostar de alguém, é o melhor sumo que podemos beber. Fazer quilómetros para levar o bolo preferido para o pequeno almoço do dia seguinte. Um telefonema de longa distância, breve. Sentir o coração a bater fora do peito.
As mãos transpiradas. Aquela linguagem que só os dois entendem. Aquela música. O perfume. A dor nos maxilares, de tanto evitar o riso de nervoso miudinho. O bilhete no hall da entrada. Acharmos que o filme que vimos foi feito para nós. O relógio que está lento.

Não me lembro de quando percebi que não se vive sem gostar, sem amar seja o que for. Seja quem for. Seja como for.
Numa piada sádica a quebrar uma notícia triste. Ou num doce deixado em cima da secretária, quando vemos alguém de orelha caída.
O amor pode vir aos pacotes, ás saquetas, em caixas fundas ou aos bochechos numa segunda feira chuvosa. Mas chega sempre.
Não me lembro de quando percebi que o ditado certo era "quem ama, sempre alcança"...porque nessa espera, todo o ser humano dispersa.

Lembro-me sim, todos os dias, que há pelo menos 1 minuto que seja, em que já nada é a primeira vez.
Em que já tudo se faz...com amor. Por amor. De amor.


28 comentários:

  1. "Tanto" tempo sem te ler e hoje dou logo de caras com este lindo texto!!;) Que dom Vânia!! :) Ficou tudo dito!:)
    Beijocas grandes!! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saudades tuas minhas querida, aqui a Sala já te andava a ressacar. E essas leituras?
      Beijinhos***

      Eliminar
    2. Mudança de casa, novas rotinas etc, mas já está tudo ordenado! ;) As leituras vão andando, prestes a iniciar mais um! ;) Passa pelo blog! ;)
      beijocas e agora estou de volta!! ;)

      Eliminar
    3. Então muito bem aparecida!!!! :)))

      Eliminar
  2. Era esse o grito que esperava ouvir! Tardou em sair porque veio mesmo de lá do fundo, mesmo da palma dos pés, que assentes na Terra, a sente fugir-lhe impotente para a agarrar, como se de um pesadelo se tratasse. Amar é uma forma de viver...sofrendo, pela distância, pela hora do reencontro, pela viagem, pelo sonho ou falta dele, pela cumplicidade, pela sexualidade e outras mais razões para as quais não há justificações...
    Um xi coração!! :)

    ResponderEliminar
  3. Lindo!
    Adorei este teu canto, poema ao amor, escrito como não podia deixar de ser com as tintas do coração.
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se fala em amor, toda a gente se revê um pouco, não é?
      Beijinhos***

      Eliminar
  4. amor é chegar a casa do trabalho e ter lá uma pequenina com meia dúzia de meses que nem se mexe e que nos dá o sorriso mais sincero que pode haver... sorriso apenas por nos ver chegar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E deve ser um momento único :) aproveita!!!

      Eliminar
  5. Adorei o texto :D uma boa ode sem dúvida nenhuma!
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  6. E é tão bom receber um pequeno gesto de amor ,quando se está de orelha caída...

    ResponderEliminar
  7. :)))))) Só escreve assim...quem sabe do que fala:)
    Lindo Boneca:)

    Bom fim de semana:) jinhooooossssss

    ResponderEliminar
  8. Minha querida amiga nortenha... surpreendes-me sempre com as tuas palavras tão mágicas e calorosas!
    Admiro o teu talento profissional e a beleza extraordinária com que escreves...
    Parabéns! Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Andamos muito românticas. ;) :)
    beijinho

    ResponderEliminar
  10. Maravilhoso, a forma como escreves, parabéns pelo aproveitamento de um dom.
    Ganhaste um fã e seguidor.

    João Bull

    ResponderEliminar