domingo, 20 de outubro de 2013

Um lugar dentro de nós.

Sempre pensei com o coração. Sempre fui impulsiva, precipitada, ansiosa até dizer chega.
Continuo assim, embora a idade me tenha posto mais receosa ou mais parva, nem sei.
A cabeça anda sempre comigo e distraída como sou, ainda bem, estar presa ao pescoço já é uma vantagem para mim.
Em todos os caminhos que tive de escolher até hoje, usei sempre o coração. Fechava os olhos e isolava o pensamento, tentava ouvir a voz cá dentro. E de todas as opções, falhadas ou não, nunca me arrependi.

À excepção de uma. E essa, tal como todas as outras em que não seguimos o coração e ouvimos a razão, mudou a minha vida para sempre.

No Liceu, sempre me esforcei por tirar boas notas e orgulho-me de nunca ter tirado nenhuma negativa. Achava que se me mantivesse focada em ser boa aluna, os objetivos seriam mais fáceis de alcançar.
A minha média não chegava a 15, era uma aluna mediana e sonhava com Jornalismo. Naquela altura, há 12 anos atrás, só havia uma escola e era privada. Conceituada sim, mas cara e isso era um entrave forte.
Coincidência das coincidências, a escola fechou e o corpo docente ingressou na Faculdade de Letras, abrindo o mesmo curso...no público. Era a minha chance!!!
Fui toda contente para as filas de candidatura, levei uma grande amiga comigo para me fazer companhia, que acabou também por colocar essa mesma opção de curso na candidatura dela. Ate já fazíamos planos de andarmos juntas na faculdade!!!
As listas saíram...ela entrou, eu não.
Chorei, chorei, chorei.
No primeiro ano de curso, por ser o primeiro, em vez de baixarem as médias, subiram e puseram o Jornalismo com 18 de média.
Impossível para mim, claro.

Teimosa, não quis ficar parada, achei que era um sinal do destino e inscrevi-me no curso de Guia Intérprete, já que diziam que tinha tanto jeito para línguas.
Frequentei durante 1 mês, fiz alguns amigos de circunstância, mas não gostava daquilo. Sentia uma apatia total em relação a tudo.
E no meio de uma aula de Espanhol, pedi para sair mais cedo e nunca mais lá apareci.
Tinha decidido naquela altura, que ia voltar ao 12º ano e subir médias para conseguir entrar no curso da minha vida.
Voltei e não consegui modificar grande coisa. Tinha seguido o coração, não estava nada arrependida, mas não tinha dado certo.
Na altura, falou-se na hipótese de ir para Braga ou Coimbra, mas optei por outro caminho - Educação de Infância - que sempre tinha gostado, mas nunca me tinha imaginado.
Achava que os meus pais teriam mais despesa comigo se eu estivesse fora do que na mesma cidade, numa privada.
E assim foi, segui a razão (tinha de tocar a minha vida para a frente e se calhar era o melhor) e perdeu-se uma futura jornalista.

E essa opção, virou a minha vida totalmente.
Se não tivesse seguido o Ensino, não teria conhecido todas as pessoas que hoje conheço, não teria feito e vivido um monte de coisas.
Estou agradecida por isso, claro, mas também sei que se tivesse tentado (só tentado, não iria perder nada) seguir o Jornalismo para Braga ou outra cidade, teria ouvido o coração.
E isso sim, persegue-me até hoje. Não no sentido de "anda-lá-tenta-outra-vez-nunca-é-tarde", porque esse tempo para mim já passou e hoje, sei que sou boa no que faço e que nada acontece por acaso.
Mas algo de mim se perdeu nessa escolha.
O mesmo pedaço que me faz duvidar do meu papel profissional, que me faz perder a paciência tantas vezes.
Sempre que não ouvi este mini relógio, fiz asneira. "Perdi" o que tive de mais próximo do conceito de melhor amiga, achava-me senhora do meu nariz. E hoje, adoro-a na mesma, mas há uma parte de mim que não se perdoa pelo tempo perdido.
Que figuras tristes eu fiz!!!

Ouçam o coração, sempre.
Nem tudo o que nos ata, nos pode prender.
Porque ninguém pode fugir do coração. Ele está dentro de nós.
Tudo o resto, se resolve cá fora.

30 comentários:

  1. O mal é por vezes sermos razoáveis, racionais e ponderadas, quando se trata de situações tão nossas para uma vida toda. Sempre tiveste a sorte de saber o que realmente querias ser, e acabaste por não seguir o coração por força das circunstâncias. Não e tarde, sabias? Podes fazer o curso em horario pos-laboral e diminuir a tua carga horaria profissional. Investimento e despesa? Sim. Mas tens muito jeito, pensa nisso. Já eu nunca tive a certeza do que realmente queria ser e fui seguindo o que achava que me identificava mais. Não estou totalmente arrependida porque ainda não há nada mais que gostasse de ter seguido. Mas vejo-me a empreender daqui a uns anos, independentemente do curso superior que se segue. Por agora, persegui 2 sonhos. O 2º vem a caminho. Estou focada mas não esquecida. Eles tomam-nos tempo e tu bem sabes que trabalhas numa sala cheia deles. FORÇA e pensa com carinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre pensei e continuo a pensar, com carinho :)
      Obrigada!
      Aproveito para dizer que ESTA menina foi a melhor amiga que alguma vez tive e de quem falo no texto.
      Fiz asneira, não acreditei e não a ouvi numa grande chatice que tivemos (mesmo sabendo cá dentro que eu estava enganada) e ficamos separadas demasiado tempo.
      Gosto muito de ti*******E a Sala também!

      Eliminar
    2. A Joeva nunca deixou de existir! E 'um burro não teima sozinho'. Cada uma teve as suas razões, apesar de parecerem tão tontas, vistas com este distanciamento. Vamos sempre a tempo. Gosto e sempre gostei muito de ti. Sou orgulhosa, mas também conheço a vida pelo coração. Tu és o equivalente ao meu 1º amor e 1º coração partido! NÃO É UMA IDEIA TÃO ROMÂNTICA??? Um beijo sincero. E saudoso.

      Eliminar
    3. Ahahahaha, adorei a tua conclusão!!! Romântica sim, mas o amor e a Amizade andam lado a lado!
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Concordo contigo...seguir o coração, sempre...mas não te esqueças que se estivesses do lado de lá, neste caso no jornalismo, não saberias se realmente as coisas seriam como desejavas e sonhavas...lutar sempre, sim...mas saber desistir e aceitar quando as coisas não se desenvolvem pelo lado que queríamos...eu acredito que há algo superior que nos encaminha para o sitio certo! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, acredito no destino e sei que vim parar a este caminho com um propósito!

      Eliminar
  3. Para completar...existe sempre aquele avião que não entrámos e mais tarde soubemos que se despenhou ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai credo...agora puseste-me a pensar. Que coisa tão sinistra e tão real, quando a comparamos com a nossa vida!

      Eliminar
  4. Eu sou muito racional e a maioria das decisões da minha vida foram tomadas com muito peso e medida.... numas vezes foi bom ser assim, mas noutras não.... o segrdo está no meio termo :)

    www.semjeitonenhum.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim nunca me compensou ser racional...simplesmente aceitei que o caminho era aquele e vi vantagens nisso também.
      Mas o coração, esse sim, tem a chave para tudo.

      Eliminar
  5. Olá Vânia,

    eu estou numa fase em que penso muito no meu futuro, numa fase de mudanças, de procura de trabalho e nesta fase, tal como em todas da minha vida penso sempre mais com o coração do que com a razão.
    Gostei muito de ler o teu testemunho. És uma verdadeira inspiração :)
    E baseada naquilo que já partilhaste connosco, penso que deves ser uma excelente profissional... perdemos uma jornalista, mas ganhámos uma excelente educadora :)

    Um beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Gostei muito de ler o teu testemunho. És uma verdadeira inspiração :)" - e não sei mais que te diga...deixaste-me babada!!!
      beijinho

      Eliminar
  6. Olá Vânia
    Foi sempre e continua a ser a minha ilosofia de vida, ouvir meu coração, tomar as atitudes que ele ordena, é a ele que obedeço, sei que poderia estar muito bem na vida se não o fizesse, mas eu sou muito transparente, sem fretes, sem hipócresias e não é fácil viver com sinceridade e honestidade, mas o meu coração é o meu único conselheiro.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E será sempre bom conselheiro :))
      Flores para ti***

      Eliminar
  7. Concordo com o comentario da Patricia. Eu sou um bocadinho mais racional e penso sempre que apesar dos "e se(s)" nunca sabemos ao certo se o outro caminho seria realmente melhor. A verdade e que "the grass always seems greener on the other side" mas nem sempre o e. No entanto, sei o que e ter um sonho e nao o concretizar deixa sempre um grande "e se" na nossa vida. Acho que de uma maneira ou de outra vais acabar por expressar aquilo que procuravas com um curso de Jornalismo e isso ve-se pelo que ja comecaste aqui no Blog. Sonha sempre e deixa os "e se(s)" alimentar as tuas paixoes mas aproveita o agora para que um dia nao se torne um "e se". Beijocas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também acho isso, por isso não tentei mais contrariar algo que fugia de mim constantemente.
      Nada acontece por acaso, por isso não me martirizo. Mas que me vem muitas vezes à cabeça, isso vem :)
      Beijinhos***

      Eliminar
  8. Um mestre da minha vida um dia disse-me: Nunca olhe demasiado tempo para o espelho retrovisor, sem dar por isso choca no da frente.
    O nosso passado é a nossa história, a nossa aprendizagem. Todos os dias temos que pensar: Até hoje aprendi, amanhã sentir-me-ei melhor preparado...!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Eu acredito que nada acontece por acaso. Tu nunca poderás saber o que te teria acontecido se tivesses entrado em jornalismo. Poderia ser melhor ou pior do que aquilo que tens hoje. Se a vida te encaminhou para esse curso é porque tu tinhas de viver alguma coisa que adveio daí. É o que eu penso. Claro que nós questionamos sempre e se isto, e se aquilo, mas no fundo, se aconteceu assim era porque tinha de ser assim, e pronto. :)
    beijinho

    ResponderEliminar
  10. Desde que te conheço e penso em ti, e conheci 1º enquanto mãe e depois como amiga, tenho sempre a mesma imagem, os teu sorriso bem disposto o teu brilho no olhar, eu pensava para comigo q sorte que tem a minha menina de estar "crescer" com uam pessoa assim..uma pessoa que lhes dá colinho, carinho e abraço q lhes sabe ensinar as cançoes dos bons dias, das estaçoes do ano e do beijinho....Para mim serás sempre a educadora que pedi um dia para receber a minha menina quando entrasse para a creche, serás sempre a pessoa que vou recordar que a levava a janela so para me deixar o coraçao sossegar e ela n ficar a chorar nem eu e ela imaginar que o dia ia passar a correr....Para "nós" serás sempre a Educadora Vania Silva na 1ª reuniao de pais me deu um papelinho que ainda hoje trago na carteira...E para mim só existe essa q brilha mesmo qd o coraçao pode não brilhar..POr isso e só por isso vales o MUndo e o Coração das nossas Crianças, e por isso mesmo fico Feliz que se tenha perdido uam Jornalista porque se ganhou uma GRANDE EDUCADORA;)E se assim é só podia ser uam decisão do coração:):)
    ( ufa...eheheh)
    Famili Martins Vaz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpa os erros:)

      Eliminar
    2. Nem sei que te diga!!!
      Li bem devagarinho para não chorar e conseguir ler tudo até ao fim.
      Obrigada, mil vezes obrigada.
      São coisas destas que me fazem orgulhosa do caminho que segui :)

      Eliminar
  11. Já disseram tudo por mim. O teu passado faz de ti quem tu és hoje, olha em frente, não para trás...há um tempo para tudo e é preciso na vida saber colocar os pontos finais:)

    (Tu sabes o quanto me identifico com esta parte da tua história...)

    jinhoooossssss

    ResponderEliminar
  12. Nem imaginas o que eu me identifico com as tuas palavras.
    Todos passamos por momentos assim. Autênticas encruzilhadas da vida que nos confrontam com tudo e nos dão tão poucas certezas.
    Sei que o caminho não é fácil, mas acredito que há muitas formas de se ser feliz.
    Tu optaste por uma e fizeste muito bem!
    Beijinhos e sê sempre assim, um ser humano maravilhoso!
    :)

    ResponderEliminar
  13. há sonhos que é bom que continuem em sonhos:)

    ResponderEliminar