domingo, 23 de fevereiro de 2014

O dia em que perdi o coração.

Estar num concerto dos Backstreet Boys era algo impensável para mim, há 20 anos, quando me habituava a ver os cinco fantásticos nas capas da Super Jovem, Bravo ou Ragazza. Ficava sem pestanejar a ver os videoclips, a decorar as músicas, a babar-me com as coreografias. Achava um sonho inalcançável (suspiros).
Pois meus caros, mas eis que Portugal à beira mar plantado, se tornou o melhor dos paraísos.
Numa noite gelada, em que me arrependi amargamente de ter levado calções de ganga (os únicos que tenho), em que esperei longos minutos numa fila interminável, em que me infiltrei na casa de banho dos deficientes (ai Claudétxi, que sufoco!!!) tal era meu aperto, o meu coração começou a ficar histérico. Não eu, o coração mesmo. Siiiiiiiiiiiiiiim, ok, eu gritei um pouquinho e saltei como uma mola mas coisa pouca, discretinha.
Primeiro veio uma banda fenomenal abrir o espectáculo, os Exchange que constituem o chamado power pop group que aposta forte nas vozes em substituição de instrumentos, mas numa harmonia tão pop que nos contagiam com aquela energia boa que se quer antes de um concerto brutal de duas horas de recordações.
O Campo Pequeno foi, de facto, pequeno para tanta gente...


Entraram em grande, claro. Como só eles sabem ser. Lembro-me da sintonia de gritos á minha volta, de toda eu tremer e de me arrepiar ao vê-los entrar em jeito militar, todos coordenados em palco. E eu perguntava para mim "São mesmo eles???". Naquele momento, tinha 12 anos e sentia-me dentro da MTV.
Depois da enérgica abertura, o Nick Carter disse à audiência o quanto se sentia grato por ali estar mas com um certo humor e charme que se manteve presente até ao fim. Todos os elementos foram falando com o público, interagindo e puxando por nós.
Havia uma plataforma no meio da multidão em pé, que os permitia estar ainda mais perto de todos.


«Are you ready to party like it's 1999?» - perguntava o Kevin (oh Kevin.....)para um berro uníssono de toda a gente.O concerto foi maioritariamente com êxitos antigos, os que nos fizeram ter posters no quarto. Ai que nostalgia!!!
Fiquei espantada com as coreografias que não falharam um milímetro e tudo executado entre diversas saídas e reentradas em palco. 'We've Got It Goin' On' e "As long as you love me" deixaram-me de queixo caído. Estão a ver aquele passe de inclinar o microfone e depois sacudir a mão como se distribuíssemos cartas? Tal e qual.
Convidaram também algumas fãs a subirem ao palco (rrrghhh...ranhosas!!!), e em acústico cantaram 'Safest Place To Hide', 'Ten Thousand Promises' e 'Madeleine' (adorei esta última, ouçam!!) 'Shape Of My Heart', de 2000, e 'I Want It That Way', de 1998, começam a fazer temer a chegada daquele momento que ninguém quer: o acender das luzes e abrir das portas do Campo Pequeno, pelo que centenas de cartazes onde se lê "Obrigado" começam a ser levantados entre a plateia. E eram tantos...tantos!!! Eles, tão gratos, tentavam cruzar o olhar com toda a gente. E eu, feita tolinha, dizia Adeus como se me vissem! ahahaha

A alegria das pessoas foi muito evidente ao longo da noite na atitude eufórica que todos adoptaram em palco para quase nos fazerem esquecer que estamos perante pais de família. Fecharam com 'Everybody (Backstreet's Back)' e 'Larger Than Life'.
Estava em total estado de euforia, de tal maneira que me desequilibrei e fui amparada no degrau debaixo por uma senhora muito querida, que apenas se riu e não me rogou pragas. Depois de olhar bem para ela, percebi que era uma figura do teatro, a actriz Noémia Costa,


Estava a acompanhar a filha, suponho :)

Vim cheia de energia positiva, com todas as letras a entoar na minha cabeça. Perdi ali o meu coração, saltou-me pela boca mal os vi em palco.
Num palco onde provaram que os rapazes da rua de trás, estão mesmo de volta. E que ainda têm lugar, In a World Like This.

20 comentários:

  1. Uma experiência fantástica que transmitiste muito bem...até me senti lá contigo:))!
    No meu cantinho estamos em festa de aniversário com sorteio e novidades. Convido-te a dar lá um saltinho:)!
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era essa a ideia, colocar-vos no cenário do concerto :)
      OK, vou espreitar!!!

      Eliminar
  2. Conheço mais umas pessoas que foram lá relembrar a adolescência!! Maravilhosa descrição.

    nadinhadeimportante.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. E acho que me vejo aí nessas fotografias! =) Foi muito muito bom!!! Foi a segunda vez que os vi, e estão cada vez melhores! Mesmooooooo!!! =)

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  4. Acredito que tenha sido uma experiência fantástica!
    Fico muito feliz por ti! As tuas palavras descrevem na perfeição o que sentiste!
    Também gosto muito da banda! É uma daquelas bandas que ficam e nunca se esquecem!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Da próxima vez também não podes perder, irás gostar de certeza!

      Eliminar
  5. :) ahaah O que gosto mais ainda, é o facto de ver de fora das paranóias da adolescência, que são todas "iguais" mesmo parecendo para nós diferentes... ;) Claro que os conheço, e até sabia muitas músicas deles de cor, algumas até escritas no teu post, mas não era a minha banda de eleição que me fazia saltar o coração e perder a razão!! :P lol Pois eu era mais a onda Bon Jovi!! :P eheheh Mas o que descreves, é exatamente o que senti quando 15 anos depois os pude ver ao vivo, quando achava que já tal não seria possível e ainda mais quando no ano a seguir os revi... podem passar os anos que passarem, mas estas paixões musicais de adolescência, vão sempre aquecer o nosso coração de forma muito especial assim como com uma grande emoção!! :)
    Beijocas!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sabia que me ias entender na perfeição!!! :)
      Também gostava de ir saltar pelos Bon Jovi, confesso!

      Eliminar
  6. Olá minha querida.
    Também fui e senti o mesmo que tu...
    Foi fantástico!!!
    Beijocas

    ResponderEliminar
  7. Respostas
    1. Tu no fundo também és louco por eles!! ;) ahaha

      Eliminar
  8. Tenho cá para mim que se tivesse lá estado, o meu relato seria idêntico. :) :) :)
    Deve ter sido tãããããããããããão bom. :)
    beijinho

    ResponderEliminar